domingo, 29 de março de 2015

Diante das circunstâncias, o resultado foi bom

 A vitória seria ótima, mas o empate do Botafogo com o Vasco por 1x1, no Maracanã, acabou sendo bom. Quais circunstâncias tornam o empate um bom resultado? Em minha opinião, as seguintes:

- as ausências nesse jogo, que obrigaram o treinador a fazer algumas modificações na equipe;
- era um clássico e a diferença entre o nível de investimento de um clube que disputará a série A para um da B é considerável;
- a derrota faria o adversário ficar com 03 pontos a mais que a gente, sem que eles tenham clássico a disputar nas últimas rodadas, tornando remota a chance de terminarmos em 1º;
- a derrota também nos deixaria em 4º, com 01 ponto apenas na frente do 5º, colocando em risco a classificação para as semifinais;
- estamos em 2º lugar na Taça Guanabara, 02 pontos atrás do 1º, sendo que este ainda tem um clássico pela frente e a gente joga as duas últimas partidas no estádio Nilton Santos. Mantivemos as chances de irmos para as semifinais com o título da Guanabara.

 Em relação ao jogo, o adversário começou melhor, mas a partir dos 10 minutos o Alvinegro, até então retraído, equilibrou as ações e passou a aparecer mais no campo de ataque.

 Nossa melhor chance na 1ª etapa aconteceu aos 25 minutos: a bola foi cruzada na área do adversário, Jobson tocou de cabeça para a marca de pênalti e Giaretta, também de cabeça, mandou no travessão. Na sequência a bola sobrou para Tomas chutar, o goleiro espalmar, Jobson tentar dominar, mas a jogada terminou com o goleiro defendendo na frente de Bill.

 Aos 38 Renan fez boa defesa, após chute de longe, mas aos 43, em contra-ataque, o adversário abriu o placar em jogada pelo nosso lado esquerdo de marcação e um chute já da grande área, o que tornava o resultado injusto.

 O time voltou para o 2º tempo com Elvis no lugar do inoperante Gegê. Elvis entrou demostrando vontade. Na postagem anterior eu pedia uma chance ao Elvis e gostei do estilo apresentado por ele nesse meio tempo em que jogou, bem diferente de Gegê nessa e nas outras partidas.

 Conseguimos empatar logo no início da 2ª etapa: aos 6 minutos Tomas se posicionou na direita para cobrar escanteio e mandou no 2º pau, achando Roger Carvalho, que cabeceou e mandou para as redes: 1x1.

 Aos 19 Elvis enfiou um bolão para Jobson, mas o goleiro chegou antes e a bola foi cortada para escanteio. O treinador fez duas substituições bem próximas: aos 20 saiu Bill (ressaltando que já tinha amarelo e corria risco de ser expulso) e entrou Tássio; aos 23 entrou Alisson e saiu Roger Carvalho, contundido.

 Aos 38 Arão puxou contra-ataque e abriu para Jobson na direita, que driblou um adversário, chutou e o goleiro defendeu para escanteio.

 No final do jogo o adversário assustou duas vezes: aos 41, após chute, a bola bateu na nossa zaga e saiu para escanteio; aos 43 aconteceu lance parecido, mas desta vez o último toque foi de um jogador adversário.

 O time se postou bem em campo e considero que foi superior ao adversário. Giaretta teve uma boa participação como volante. Gostei das atuações de Renan Fonseca e Willian Arão, assim como da entrada de Elvis.

 Por outro lado, Jobson teve atuação apagada. Gegê, como sempre, nada produziu. Carleto deixou a desejar. Aliás, jogadas nas costas dos nossos laterais continuam acontecendo e isso precisa ser corrigido.

 Receberam cartão amarelo: Gegê, Bill e Tássio.

 Botafogo: Renan, Gilberto, Renan Fonseca, Roger Carvalho (Alisson) e Carleto; Giaretta, Willian Arão, Gegê (Elvis) e Tomas; Jobson e Bill (Tássio).

 Saudações alvinegras.

 Twitter: @OpiniaoBotafogo

quinta-feira, 26 de março de 2015

Algumas indagações para reflexão.

 Depois do tropeço do Glorioso ontem e da fraca atuação, ficam alguns questionamentos:

 - a partida de ontem não foi a única cuja atuação não agradou. Em partidas recentes isso também ocorreu, mas as vitórias acabaram amenizando a situação. Qual o motivo do time não evoluir? Limitação técnica da equipe ou o treinador não consegue fazer esse time jogar?

- um time da grandeza do Botafogo tem, ou pelo menos deveria ter, uma comissão técnica preparada e não pode, após treinamentos, sofrer um gol de bola parada como aconteceu ontem. O atleta adversário cabeceou entre nossos marcadores com tranquilidade. Desatenção de jogo ou necessidade de aprimorar os treinamentos?

- independente do pênalti perdido ontem (não nos esqueçamos do rebote), o time alvinegro vinha tendo o melhor ataque da competição. Quando não funciona, seria mesmo culpa dos atacantes ou de nosso setor de criação, que não cria nada para o pessoal da frente?

- venho reiteradas vezes criticando o setor de criação, como acima. Se os que vem atuando não estão funcionando deve-se buscar opções. O atleta Elvis foi trazido este ano, mas não recebe chances. Com nosso meio sem funcionar, por que não é dada oportunidade ao Elvis? Gostaria muito de entender.

- o jovem Jean estreou ontem na lateral esquerda. Lógico que pesa a estreia, mas ele não comprometeu. Pelo contrário, fez cruzamentos precisos no 1º tempo, além de atento na marcação. Em minha opinião, Carleto não vem atuando de maneira a ser considerado titular absoluto. Não seria interessante ser dada outra chance ao Jean? Ganhar experiência no carioca para entrar bem no Brasileiro?

 Reitero que são indagações minhas, mas que podem servir de reflexão para os alvinegros. Lógico que podem ser apontadas razões contrárias às sugestões apresentadas, mas é para isso que serve o debate saudável.

 Saudações alvinegras.

 Twitter: @OpiniaoBotafogo

quarta-feira, 25 de março de 2015

Um castigo pelo péssimo 2º tempo.

 O Botafogo foi até Volta Redonda e empatou com o Barra Mansa por 1x1. Diferente de outras partidas, em que a equipe jogou apenas no 2º tempo, dessa vez a situação se inverteu. O alvinegro até esteve bem postado em campo no 1º tempo e saiu na frente do placar, mas simplesmente inexistiu na 2ª etapa.

 Vou bater novamente na mesma tecla: continuamos sem meio de campo. Nosso setor de criação não funciona, sendo esse, para mim, o maior problema da equipe atual.

 Criticado por prender demais a bola, Jobson, pelo menos no 1º tempo, buscou ser mais solidário, fazendo cruzamentos e tocando a bola, evitando as firulas exageradas.

 No 1ª etapa, buscando jogar pelos lados, principalmente pela esquerda, com Jobson e Jean, chegamos uma vez, logo no início, com Tomas, que chutou de longe para defesa parcial do goleiro. Aos 21 Bill quase marcou, após cruzamento de Jean.

 Aos 27 Diego Jardel cobrou escanteio da esquerda, a meia altura, a bola passou por Jobson e sobrou para Roger Carvalho, dentro da pequena área, chutar para as redes: 1x0 Botafogo.

 Aos 35, tivemos uma bonita troca de passes, mas o zagueiro cortou quando Jobson iria completar.

 No 2º tempo, logo aos 9 minutos, Diego Jardel sentiu e foi substituído por Murilo. Mesmo o meia não tendo jogado bem na 1ª etapa, após a sua saída o time se perdeu completamente.

 Murilo entrou mal demais no jogo e errou dois lances que resultaram em contra-ataques perigosos do adversário. Se esse jogo serviu de teste, ele deve se preocupar, pois não jogou nada.

 No 2º tempo Renan fez boas defesas aos 13, aos 16 e aos 26 minutos, mas não conseguiu evitar o gol de empate aos 33, em bola cruzada na nossa área, em que o adversário cabeceou livre, entre nossos zagueiros.

 Antes do gol de empate o treinador havia feito duas substituições: aos 17, quando saiu Tomas, que nada fez em campo e entrou Gegê, que também não fez nada; aos 23 saiu o jovem Jean, que não comprometeu, e entrou Giaretta.

 Apesar da péssima partida feita pelo time, poderíamos, ainda assim, ter saído com a vitória, afinal tivemos um pênalti aos 41, quando Roger Carvalho foi puxado na área. O problema é que Bill cobrou mal, aos 42, e o goleiro defendeu. Ainda houve rebote, mas o próprio Bill não conseguiu pegar bem na bola e perdeu a chance novamente.

 Receberam cartões amarelos: Marcelo Mattos (3º dele e está suspenso), Fernandes (também foi o 3º e não enfrenta o Vasco) e Gegê.

 Botafogo: Renan, Fernandes, Renan Fonseca, Roger Carvalho e Jean (Diego Giaretta); Marcelo Mattos, Willian Arão, Diego Jardel (Murilo) e Tomas (Gegê); Jobson e Bill.

 Saudações alvinegras.

 Twitter: @OpiniaoBotafogo

domingo, 22 de março de 2015

Vitória magra, porém muito importante!

 Estive em Macaé acompanhando a vitória do Botafogo por 1x0 contra a Cabofriense, na companhia do amigo Wesley Machado, do blog Estrela Solitária no Coração e autor do "Samba do Senta", e de seu pai e sua irmã. O time não teve uma grande atuação, mas venceu e lidera a Taça Guanabara. Os acertos que se fazem necessários obviamente não podem ser esquecidos por conta da vitória, mas serem buscados nos treinamentos, para que o time renda mais.

 Achei o time meio displicente no 1º tempo e o adversário começou o jogo obrigando Renan a fazer grande defesa. Aliás, Renan foi um dos destaques da partida, tendo atuação no 1º tempo em nível de Jefferson. Fez cinco grandes defesas, sendo que por duas vezes teve que se desdobrar e fazer duas defesas difíceis no mesmo lance. Na 2ª etapa o adversário não conseguiu chegar.

 O lance mais perigoso do 1º tempo foi um chute de Fernandes, que beliscou a parte superior do travessão e saiu. Em relação a Fernandes, não fez uma boa partida.

 Se Renan foi um destaque da partida, outro foi o William Arão. Ele participou bastante do jogo, marcava bem e ainda saía para o jogo. O time esteve meio devagar, mas não foi o caso de Arão.

Renan e Arão, destaques da partida

 A expectativa durante o intervalo era de que, conforme partidas anteriores, o time reagisse na 2ª etapa. René tirou Tomas ainda no intervalo e colocou Sassá. O atacante entrou muito bem atuando pelo lado direito e deu uma incendiada na equipe. Além de ter melhorado o rendimento da equipe no 2º tempo, foi de Sassá o gol da vitória, aos 21 minutos, em arrancada pela direita, chutando forte ao entrar na área. Um golaço!

Sassá (nº 18) entrando após o intervalo. Foi dele o gol da vitória.
 Infelizmente Sassá, que vinha bem na partida, se contundiu e acabamos jogando um tempinho com apenas 10 jogadores, já que o treinador já havia feito as três substituições. O adversário até tentou buscar o empate, mas o Glorioso esteve firme atrás e tentava jogadas de desafogo por meio de Pimpão e Jobson.

 Reitero que continuamos com problema no setor de criação. Tomas esteve mal e Jardel até chamou o jogo no 1º tempo, mas não conseguiu ser produtivo.

 O estádio do Macaé tinha tribuna, mas o nosso Presidente preferiu assistir a partida na arquibancada, conforme imagem abaixo.

Presidente Carlos Eduardo acompanhando a partida.
Cumprimentamos o Presidente no intervalo da partida.
 Foram pouco mais de 2.300 alvinegros presentes em Macaé, que incentivaram o time o tempo inteiro. Cantaram bem alto, inclusive para pedir a entrada de Pimpão. Enfim, mais um show da torcida alvinegra no estádio.

Torcida alvinegra deu show...
...cantando durante toda a partida.
   Receberam cartão amarelo: Gilberto e Carleto.
 Botafogo: Renan, Gilberto, Renan Fonseca, Diego Giaretta e Carleto; William Arão, Fernandes, Diego Jardel (Gegê) e Tomas (Sassá); Jobson e Tássio (Pimpão).

 Saudações alvinegras.

 Twitter: @OpiniaoBotafogo

sexta-feira, 20 de março de 2015

Meio de campo: um setor que precisa evoluir

 Estamos fazendo uma boa campanha no Estadual, até de forma inesperada para muitos. Após o sofrimento em 2014, nosso sorriso vai retornando. Além da boa campanha no Estadual, também há o bom trabalho da nova direção do clube, pelo menos até este momento. 

 Mesmo estando bem posicionados na tabela, sabemos que há questões a evoluir na equipe, visando nosso maior objetivo no ano, que é o retorno à séria A.

 Entre os ajustes que se fazem necessários, está o nosso setor de criação. O setor não vem rendendo, com Tomas e Diego Jardel esporadicamente fazendo boas jogadas.

 Jardel havia subido de produção até se contundir. Se recuperou da contusão, mas ainda não recuperou o nível anterior.

 Tomas, apesar de ainda estar "tímido", já mostrou que sabe jogar, mas precisa se soltar, ser mais participativo, pois somente assim irá ajudar.

 Como opções temos o Gegê, que infelizmente não conseguiu aproveitar as chances que recebeu, tendo fracas participações. Temos o Elvis, que ainda não recebeu oportunidades em jogos oficiais, cuja razão desconheço, até pela falta de opções. Salvo engano, o 1º gol no jogo-treino contra o Minnesota, marcado por Pimpão, nasceu de uma arrancada do Elvis, desde a linha de meio de campo, que abriu na medida para Pimpão, na esquerda, marcar.

 Conversando com outros alvinegros, discutimos a possibilidade, pelo rendimento aquém do esperado do setor de criação, de lançar Pimpão, Bill e Jobson, deixando um armador apenas, com os atacantes tendo a obrigação de fechar o meio quando não tivéssemos a posse de bola. Essa possibilidade não funciona se não houver o comprometimento dos atacantes em ajudar ma marcação.

 Para domingo, contra o Cabofriense, em Macaé, possivelmente Mattos e Bill continuem de fora. O treinador escalou na quinta-feira Fernandes na vaga de Mattos, diferente da última partida, quando jogou Dierson. Fernandes sai mais para o jogo. Dierson tem estilo parecido com o de Mattos.

 Saudações alvinegras.

 Twitter: @OpiniaoBotafogo

terça-feira, 17 de março de 2015

Isso é Botafogo: exemplos do que é ser alvinegro!

 Somente quem é botafoguense sabe o que significa torcer por esse clube grandioso, reconhecido mundialmente. É um sentimento único, intenso e verdadeiro. Não à toa o botafoguense afirma que não escolheu, mas foi escolhido.

 Em meio a milhões de alvinegros espalhados pelo Brasil e pelo mundo, podemos destacar alguns como exemplo, alguns que recentemente, por motivos distintos, nos orgulharam, nos emocionaram e com certeza nos representaram.

 Tivemos o André Botafogo, que recebeu em sua residência, em reportagem de emissora de tv, o ex-zagueiro Sandro, do qual é fã, pela raça e respeito pela camisa alvinegra que sempre foi demonstrado pelo ex-zagueiro quando entrava em campo pelo Botafogo. O encontro emocionou André, Sandro e muitos alvinegros que assistiram a matéria. O segundo nome dos filhos de André é Botafogo, devidamente documentado. Quem não assistiu na época, vale a pena assistir agora.

 Temos contato no twitter com um chileno, o Jose, que é torcedor declarado do Botafogo. O detalhe é que o amigo chileno reside no país dele e não torce para nenhum time local. O amor dele é pelo Glorioso e, mesmo distante, procura estar informado sobre tudo o que acontece com o clube.

 Mais recentemente, o Jose compartilhou no twitter um dilema: ele quer se tornar sócio torcedor, mas vem encontrando dificuldades por não ter CPF. Muitos alvinegros se sensibilizaram e tentam ajudá-lo. Nesta segunda-feira ele participou de um programa da Rádio Botafogo (a participação do Jorge se inicia no transcorrer do programa), que está interagindo com o clube em busca de uma solução.

 Vejam vocês, um chileno, que não reside aqui, mas lá no Chile, se propõe a se tornar sócio torcedor, com o único propósito de ajudar o clube que ama. Que ele sirva de exemplo para muitos outros alvinegros.

 O outro exemplo é a Dona Terezinha, falecida ano passado, que era mais uma apaixonada pelo Botafogo. Na matéria um sobrinho dela destacou que não havia compromisso mais importante para Dona Terezinha do que um jogo do Botafogo.

 O amor era tanto que ela deixou para o clube uma casa com terreno de 30 mil metros quadrados, com a ressalva de que não poderá ser vendida.

 Saudações alvinegras! 

domingo, 15 de março de 2015

Time de 2º tempo? Fogão 3x0!

 O Botafogo derrotou o Resende por 3x0 neste domingo no Niltão. Assim como na partida anterior, contra o Tigres, também vencida por 3x0, o time marcou os gols somente na 2ª etapa. Temos funcionado somente após orientações recebidas no intervalo? O mais importante disso tudo foi a vitória, que nos deixa apenas um ponto atrás do líder da Taça Guanabara.

 O 1º tempo foi de amplo domínio territorial do Botafogo. O alvinegro tocava a bola, chegava no ataque, mas as chances criadas não foram tão agudas, muito em função do meio de campo não funcionar. Na única jogada de criação, Tomas deixou Jardel de frente para o goleiro, mas o chute foi em cima do arqueiro.

 Além disso, chegamos por meio de bolas cruzadas e alguns contra-ataques. O Resende atuava bem fechado, tanto que aos 13 minutos depois de estarmos no ataque, não encontrando espaços, fomos recuando até a bola voltar para Jefferson.

 No 2º tempo o time entrou buscando abrir o marcador, teve uma chance com Tássio aos 7 e o gol saiu aos 9, também com Tássio. Com o gol o time ficou mais ligado e os espaços apareceram em função da necessidade do adversário ter que sair para o jogo.

 Ampliamos aos 15 com Jobson e, a partir daí, o time passou a administrar, o adversário parecia resignado e a partida caiu de qualidade. Voltamos a ter algumas situações de ataque após a entrada de Sassá, que atuou em velocidade contra o adversário cansado. O terceiro gol saiu após roubada de bola dele.

 O jovem Dierson atuou com estilo semelhante ao de Mattos, buscando marcar em cima. Um vacilo na partida, mas em geral foi bem.

 O atacante Tássio, apesar de grande, não aparentou ser aquele pivô pesadão. Me pareceu com estilo próximo ao de Rafael Marques, mas diferente do atual jogador palmeirense, não demorou a marcar o 1º gol pelo Botafogo.

 Enquanto nosso ataque tem funcionado muito bem, o meio de campo ainda tem deixado a desejar.

 As substituições de René ocorreram no 2º tempo: aos 23 entrou Sassá e saiu Jobson; aos 32 saiu Tássio e entrou Pimpão; aos 35 saiu Carleto e entrou Gegê.

 Carleto recebeu cartão amarelo na partida.

 Lances do jogo

 1º tempo:

- 2 minutos - Arão tocou para Gilberto, que cruzou e Tássio cabeceou por cima;
- 8 minutos - Tomas chutou de fora da área e o goleiro espalmou para escanteio;
- 9 minutos - Arão chutou e o goleiro espalmou novamente para escanteio;
- 15 minutos - Jefferson saiu jogando pelo meio com Dierson, que não dominou a bola, o adversário recuperou e obrigou nosso goleiro a dividir com ele e salvar;
- 26 minutos - Jobson tocou de calcanhar para Tomas na esquerda, este enfiou um bolão para Jardel, que dentro da área, livre, chutou em cima do goleiro e perdeu a chance;
- 37 minutos - a zaga adversária falhou e a bola sobrou para Tássio na área, mas ele pegou mal e mandou para fora;
- 43 minutos - Jardel puxou um contra-ataque em velocidade, Tássio recebeu na direita, cruzou no meio da área, Jardel cabeceou e o goleiro salvou;
- 46 minutos - a bola foi na área do Resende, a zaga cortou parcialmente, Gilberto completou e o zagueiro salvou em cima da linha.

2º tempo:

- 7 minutos - Carleto cruzou da esquerda e Tássio, no meio da área, cabeceou para fora;
- 9 minutos - Arão cruzou na área, Jobson cabeceou e a bola ficou livre para Jardel, que chutou em cima do goleiro, mas Tássio pegou o rebote e mandou para as redes: 1x0 Fogão;
- 15 minutos - Carleto, antes da linha de meio de campo, lançou um bolão para Jobson. O atacante chegou antes do goleiro e deu um toquinho, com a bola passando entre as pernas do goleiro e indo para o fundo das redes: 2x0 Fogão;
- 29 minutos - Sassá avançou em velocidade pela esquerda, rolou para Carleto na área, mas a zaga interceptou o chute forte e evitou o gol;
- 33 minutos - boa defesa de Jefferson, após bola cabeceada pelo adversário;
- 41 minutos - Sassá recuperou a bola no ataque, rolou para Gegê que entrou na área e mandou na trave. No rebote Pimpão só empurrou para as redes: 3x0 Fogão.
- 47 minutos - atacante adversário recebeu sozinho, entrou na área, chutou e Jefferson salvou.

 Botafogo: Jefferson, Gilberto, Renan Fonseca, Diego Giaretta e Carleto (Gegê); Willian Arão, Dierson, Diego Jardel e Tomas; Jobson (Sassá) e Tássio (Pimpão).

 Saudações alvinegras!

 Twitter: @OpiniaoBotafogo

sexta-feira, 13 de março de 2015

Domingo é para encher o Niltão!

 O próximo compromisso do Botafogo será domingo, às 18h30, contra o Resende, no Estádio Nilton Santos. A galera precisa comparecer em massa e empurrar o Glorioso para mais uma vitória.

 Desacreditado no início do ano, o time alvinegro vem surpreendendo e, após 9 rodadas da Taça Guanabara, encontra-se em 2º lugar, um ponto apenas atrás do líder e na frente de equipes apontadas como com elencos muito superiores ao nosso.

 Trabalhando firme, sabedor que há limitações técnicas, o Botafogo tem atuado com muito empenho. Ano passado cobramos muito essa postura, que ao vestirem a gloriosa camisa alvinegra os jogadores a honrassem, mas infelizmente em vários jogos isso não aconteceu, por diversos fatores. Esse empenho, pelo menos até o momento, não tem faltado à rapaziada deste ano.

 Os ingressos variam de R$ 10,00 a R$ 40,00. Sócios Torcedores não pagam (exceção para os sócios "Botafogo no Coração + Desconto", antigo "Sempre", que pagam 50% do valor). Os sócios proprietários, adimplentes, também não pagam.

 *O clube informou, conforme consta no site do Programa Sou Botafogo, que não mais será preciso fazer check-in, diferente do que foi anunciado anteriormente. Ainda segundo a nota do clube, não haverá problemas para quem já efetuou o check-in. O clube pediu desculpes pelo transtorno e que está trabalhando para que tudo seja normalizado para as próximas partidas. O estacionamento Norte, na Rua das Oficinas, estará aberto, com preço de R$ 20,00.

 Vamos aos preços:

 - Setor Sul - Resende: R$ 20,00 (inteira) / R$ 10,00 (meia);

 - Setor Norte - Botafogo: R$ 20,00 (inteira) / R$ 10,00 (meia);

 - Setor Leste Inferior - Botafogo: R$ 30,00 (inteira) / R$ 15,00 (meia);

 - Setor Oeste Inferior - Botafogo: R$ 40,00 (inteira) / R$ 20,00 (meia).

 Informações sobre as vendas de ingressos:

 O ingresso pode ser adquirido pela internet em: www.futebolcard.com

 No sábado as vendas ocorrerão no horário de 10 às 17 horas, nos seguintes locais:

 - General Severiano;
 - Estádio Nilton Santos;
 - Caio Martins;
 - Lojas Fanáticos (Lagoa Shopping Araruama).

 No domingo as vendas em General Severiano vão das 10 às 13 horas e no Estádio Nilton Santos das 10 às 19 horas e 15 minutos.

 Saudações alvinegras.

 Twitter: @OpiniaoBotafogo

 * Atualização às 14h30 de 14 de março, com informações sobre mudanças em relação ao check-in para os sócios, que não mais será necessário para este jogo.

quarta-feira, 11 de março de 2015

Não foi um grande jogo da equipe, mas uma grande vitória.

 A vitória por 3x0 do Botafogo contra o Tigres, no Niltão, pode fazer quem não assistiu a partida pensar que a mesma foi tranquila, mas não foi bem assim. O Glorioso não fez um grande jogo, principalmente na 1ª etapa, quando entrou com um ritmo lento.

 No 1º tempo a equipe errou demais o último passe, aquele que deixaria o companheiro bem posicionado para concluir. Também ocorreram muitos chutes descalibrados, de vários atletas, quando poderiam buscar um companheiro melhor posicionado, assim como deixamos espaços na nossa defesa.

 Tais espaços proporcionaram algumas chegadas do adversário, como um arremate aos 3 minutos, com perigo, que por sorte passou por cima.

 Mesmo de forma lenta, conseguimos chegar algumas vezes: aos 17, após boa troca de passes, Diego Jardel chutou com perigo, mas para fora; aos 18 Jobson fez jogada individual pelo lado esquerdo, driblou três adversários, mas chutou para fora; aos 20 Diego Jardel fez grande jogada, foi na linha de fundo e cruzou no meio da área, onde Jobson chutou de primeira, mas por cima da meta.

 A arbitragem passou em branco hoje? Não! Aos 26 Tomas chutou de fora da área, o goleiro deu rebote, Jobson, EM POSIÇÃO LEGAL, mandou para as redes, mas foi marcado impedimento. Por sorte, tal erro não influenciou no resultado, diferente da nossa partida contra o Volta Redonda.

 O 2º tempo começou e a sensação era de que o time voltou mais ligado e, logo aos 2 minutos, Tomas cruzou na área, o goleiro cortou para a marca de pênalti, onde Renan Fonseca dominou, limpou um marcador e mandou um chutaço para abrir o placar: 1x0 Fogão!

 Curiosamente, após o gol, deixamos o adversário jogar, que avançava e conseguiu uma penalidade máxima aos 10, cometida por Giaretta. Depois do susto, o alívio: na cobrança, aos 11, o adversário chutou para fora, talvez assustado com a presença de Jefferson na sua frente.

 O treinador mexeu aos 14, tirando Sassá e colocando Tássio, com o time passando a atuar com um jogador de referência na área. Sassá não fez uma boa partida, nessa sua chance como titular, tendo, inclusive, dado uma furada incrível no 1º tempo.

 O adversário continuava tentando chegar próximo da nossa área e aos 19 chutou cruzado com perigo, com a bola saindo perto da meta de Jefferson.

 Aos 20, René sacou Diego Jardel, que fez um razoável 1º tempo e caiu muito na 2ª etapa, e colocou Gegê.

 Mesmo de forma não muito organizada, passamos a chegar mais no ataque. Aos 25 Gegê chutou colocado da meia lua e a bola saiu ao lado da meta adversária. Aos 26 foi a vez de Tomas chutar da mesma posição que Gegê, mas também para fora.

 Fernandes, que não reeditou suas boas participações anteriores, sentiu uma contusão, dando lugar a Dierson. Logo depois de Fernandes deixar o gramado, Jobson, aos 30, chutou de muito longe e ampliou: 2x0 Fogão. Com o 2º gol o Tigres deu uma natural desanimada e o Botafogo teve mais tranquilidade.

 Aos 36 aconteceu um golaço de Gilberto, após passar por três marcadores e chutar de dentro da grande área: 3x0 Fogão! Ainda quase marcamos outro aos 37, após boa jogada de Tomas pela direita.

 Depois da derrota de domingo, a vitória hoje foi importante para o grupo manter a tranquilidade. Diego Jardel teve uma participação razoável no 1º tempo, caindo na 2ª etapa e considero que ocorreu o inverso com Tomas. Jobson, mesmo com alguns lances de individualidade, procurou trabalhar mais com seus companheiros nessa partida e fez um belo gol.

 O jovem Dierson estreou pelos profissionais, substituindo Fernandes no 2º tempo e, mesmo em pouco tempo, buscou não dar espaços, marcando em cima.

 Fernandes recebeu cartão amarelo na partida.

 Botafogo: Jefferson, Gilberto, Renan Fonseca, Diego Giaretta e Carleto; Arão, Fernandes (Dierson), Diego Jardel (Gegê) e Tomas; Jobson e Sassá (Tássio).

 Saudações alvinegras!

 Twitter: @OpiniaoBotafogo

terça-feira, 10 de março de 2015

Notas Curtas - nº 37

 - Além de Marcelo Mattos (expulso) e Bill (3º amarelo), o Botafogo terá o desfalque de Roger Carvalho nessa 4ª feira, contra o Tigres. O zagueiro que cumpriu suspensão no clássico do último domingo, sentiu uma contusão e está fora;

- Com as ausências acima, o time deve atuar com Renan e Giaretta na zaga, possivelmente Fernandes na vaga de Mattos e Sassá deve ser o titular no lugar de Bill. Outras opções seriam Dierson como volante e Tássio na frente;

- A FERJ publicou hoje em seu site a mudança na data do jogo do Botafogo contra a Cabofriense. A pedido da tv, a partida passou de sábado, 21/03, para domingo, 22/03, às 16 horas;

- Curiosamente, após as notícias ontem de uma suposta negociação do clube com a tv Record, foi publicada essa alteração de jogo do alvinegro, que assim terá um jogo transmitido em tv aberta no domingo sem que seja um clássico. A partida de amanhã contra o Tigres terá transmissão do Sportv, além do PFC;

- Segundo publicação do blog Bastidores F.C., uma reunião entre o Botafogo e o consórcio Maracanã, sobre o borderô do clássico contra o Flamengo, que gerou insatisfação do clube pelo valor recebido, terminou em confusão entre representantes do clube e do consórcio. Fica mais claro que precisamos nos dedicar mais ao Niltão e evitar as altas taxas cobradas pelo consórcio;

- O clube anunciou nessa terça-feira que o patrocínio da Casa & Vídeo será mantido nos dois próximos jogos: quarta-feira contra o Tigres e domingo contra o Resende.

domingo, 8 de março de 2015

Atacante ajeita c/ braço e gol é validado. Mattos ajeita c/ braço e é expulso.

 O detalhe no título não foi preponderante para a derrota de 3x1 do Botafogo, mas contribuiu em parte, afinal erros de arbitragem, como os que serão relatados na postagem, acabam irritando os jogadores.

 Não faltou luta da equipe, mas ocorreram muitas falhas individuais, tanto defensivas como ofensivas, e elas acabaram sendo mais preponderantes para que a equipe não conseguisse um bom resultado. As falhas defensivas fizeram com que Jefferson tivesse que trabalhar bastante.

 Que a derrota sirva de aprendizado e que os erros sejam corrigidos. Não entendi o treinador manter Gegê até aos 35 do 2º tempo. Para mim ele não se achou nem no apoio ao ataque e nem na cobertura aos laterais.

 Outro detalhe foi a péssima arbitragem, com muitos erros contra o alvinegro. Foram 03 erros seguidos no 2º tempo, com 2 impedimentos inexistentes de Bill e outra jogada em que o juiz marcou falta do nosso atacante, sendo que o zagueiro deixou o braço no rosto dele. No final do jogo o atacante deles recebeu, ajeitou a bola no braço e fez o gol, validado. Depois a bola tocou no braço de Mattos e o juiz deu o 2º amarelo e o expulsou.

 Com a derrota, terminamos a rodada na 2ª posição da Taça Guanabara, um ponto atrás do líder. Nosso próximo jogo será na quarta-feira, às 19h30, no Niltão.

 Mal o jogo começou e, com 1 minuto, Bill ganhou do marcador, tocou para Jobson, que foi derrubado na entrada da área. Na cobrança, Carleto mandou na barreira.

 A partir daí nos encolhemos, não conseguimos encaixar contra-ataques e o adversário subiu, como aos 9, em cochilo de Giaretta, em que o atacante arrematou de primeira e Jefferson salvou. Aos 13 aconteceu jogada nas costas de Gilberto, a bola foi cruzada com perigo, mas a zaga mandou para escanteio. Aos 22, após chute do adversário de fora da área, Jefferson se esticou e espalmou.

 Chegamos novamente somente aos 27, quando a bola sobrou para Jobson, livre, que tentou encobrir o goleiro, mas a bola passou por cima do travessão.

 Aos 29 Mattos tocou para Tomas na direita, que deu um toquinho de primeira para Gilberto, este tocou para Bill, recebeu de volta, fez uma grande jogada, entrou na área e rolou para Jobson empurrar para as redes: 1x0 Fogão.

 Aos 32 Carleto cobrou falta da direita, Renan cabeceou e o goleiro salvou.

 Aos 36 a bola foi na entrada da nossa área, o jogador errou o chute, mas sobrou na direita para outro chutar em diagonal e empatar.

 No 2º tempo, logo aos 4, Jefferson fez grande defesa após bola de cabeça do adversário e evitou o 2º gol.

 Aos 8 Bill recebeu entre os zagueiros em posição normal e o bandeira marcou impedimento. Aos 10 um zagueiro jogou o braço no rosto de Bill e o juiz deu falta do atacante. Aos 11 outro impedimento de Bill, inexistente, que o bandeira marcou.

 Aos 24 a bola foi lançada do campo de defesa do adversário, Renan não conseguiu interceptar, um jogador adversário ganhou de Mattos na corrida, entrou na área e chutou cruzado, marcando o 2º gol.

 Aos 38, com marcação frouxa de Renan Fonseca, o atacante adversário recebeu lançamento, ajeitou no braço e ampliou: 3x1.

 Curiosamente, logo depois, a bola tocou no braço de Mattos, o juiz marcou e ainda deu o 2º cartão amarelo ao volante, que foi expulso. O atacante adversário pode e ele não? O zagueiro deixou o braço no rosto de Bill e o juiz marcou falta do atacante. Sassá abriu os braços junto ao adversário e ele marcou falta do nosso atacante. Um peso e duas medidas? Com a palavra a arbitragem.

 Jefferson ainda fez outra grande defesa aos 45.

 Das substituições, aos 21, saindo Tomas e entrando Sassá, aos 30, saindo Jobson e entrando Tássio e aos 35, saindo Gegê e entrando Diego Jardel, a única que melhorou alguma coisa, em minha opinião, foi a última.

 Bill recebeu cartão amarelo e Marcelo Mattos foi expulso ao receber 02 cartões amarelos.

 Botafogo: Jefferson, Gilberto, Renan Fonseca, Diego Giaretta e Carleto; Marcelo Mattos, Arão, Gegê (Diego Jardel) e Tomas (Sassá); Jobson (Tássio) e Bill.

 Saudações alvinegras.

 Twitter: @OpiniaoBotafogo

sexta-feira, 6 de março de 2015

Recuperamos a marca de 10 mil sócios. Agora é buscar 20 mil

 Nessa sexta-feira o Botafogo chegou a 10.170 sócios torcedores e agora é o 16º clube em número de sócios. Não estamos mais atrás de Ceará e Grêmio Osasco, mas esse nº precisa evoluir ainda mais.

 Que a nossa próxima meta seja alcançar 20 mil sócios, acompanhando a proposta do alvinegro Carlão, de Sergipe, feita via twitter. Ele deseja que ao chegar o mês de abril tenhamos os 20 mil. É difícil, mas vamos tentar buscar tal objetivo?

 Os números continuam muito aquém da grandeza do Glorioso e o clube precisa muito do nosso apoio.

 Para quem mora fora do Rio de Janeiro, há o plano “Botafogo no Coração + Desconto” (antigo “Sempre”), que possibilita a compra de ingressos com 50% de desconto em partidas com mando nosso. Além disso, existem algumas vantagens por meio do Movimento por um futebol melhor, que proporciona descontos em alguns produtos em redes de supermercados participantes, assim como descontos em alguns serviços, que podem ser verificados no site do projeto Movimento por um futebol melhor.

 O clube possibilitou que o pagamento possa ser efetuado por boleto bancário. Se você não puder se associar, poderá ajudar divulgando o programa.

 As opções de planos são as seguintes:

- Plano MANEQUINHO: R$ 14,90 (carteirinha personalizada / plano especial para crianças de até 12 anos / direito de entrar em campo como mascotes do time);

- Plano BOTAFOGO NO CORAÇÃO: R$ 19,90 (carteirinha personalizada / rede de descontos / promoções exclusivas);

- Plano BOTAFOGO NO CORAÇÃO + DESCONTO: R$ 24,80 (carteirinha personalizada / rede de descontos / promoções exclusivas / prioridade na compra de ingressos / 50% de desconto nos jogos de mando do Botafogo);

- Plano BOTAFOGO NO CORAÇÃO + NORTE: R$ 34,80 (carteirinha personalizada / rede de descontos / promoções exclusivas / 100% de desconto no setor Norte do estádio Nilton Santos);

- Plano BOTAFOGO NO CORAÇÃO + LESTE INFERIOR: R$ 59,80 (carteirinha personalizada / rede de descontos / promoções exclusivas / 100% de desconto no setor Leste Inferior do estádio Nilton Santos);

- Plano BOTAFOGO NO CORAÇÃO + OESTE INFERIOR: R$ 79,80 (carteirinha personalizada / rede de descontos / promoções exclusivas / 100% de desconto no setor Oeste Inferior do estádio Nilton Santos);

- Plano BOTAFOGO NO CORAÇÃO + OESTE INFERIOR CENTRAL: R$ 119,80 (carteirinha personalizada / rede de descontos / promoções exclusivas / 100% de desconto nas cadeiras centrais do setor Oeste Inferior do estádio Nilton Santos / direito a compra de ingresso extra).

quinta-feira, 5 de março de 2015

Dissecando a tabela do Botafogo no 1º turno do Brasileiro



 A Confederação divulgou hoje a tabela do 1º turno da série B. Nessa 1ª fase faremos 09 jogos em casa e 10 fora. 

 Tendo na competição clubes de diversos Estados, inclusive com todas as regiões do país representadas, será grande o número de viagens que o Glorioso terá que fazer.

 Iniciaremos com uma viagem longa até Belém, para enfrentar o Paysandu, dia 8 ou 9 de maio. Depois teremos jogos intercalados entre o estádio Nilton Santos, Goiânia e Curitiba. 

 Da 6ª até a 10ª rodada não sairemos do Sudeste, o que evitará um desgaste e, quem sabe, possibilitará uma arrancada do time. Nessas 05 partidas jogaremos 03 no Niltão, uma em Macaé e outra no interior de São Paulo.

 Depois do período anterior, com menos desgaste, duas viagens serão necessárias, sendo uma mais longa (Fortaleza) e outra nem tanto (Bragança). 

 Nas sete últimas rodadas atuaremos 04 vezes no nosso estádio, saindo uma vez para Recife, outra para Salvador e na última rodada para Belo Horizonte, quando enfrentaremos o América, no dia 14 ou 15 de agosto. Nesses 07 jogos teremos, então, apenas duas viagens que poderão gerar maior desgaste.

 Considero que a tabela do 1º turno está razoável e, com um bom planejamento, poderemos chegar na metade da competição bem posicionados na tabela de classificação. Esta é a minha expectativa e a minha torcida. 

 Saudações alvinegras. 

 Twitter: @OpiniaoBotafogo